sexta-feira, 25 de maio de 2007

Cura pela mente

Veterinários desafiam a medicina ao incrementar suas consultas com telepatia. E garantem: os cães se comunicam pelo pensamento
A intimidade entre o ser humano e os animais domésticos atinge níveis inesperados. As mascotes já têm privilégios antes exclusivos de gente: se esbaldam em hotéis, freqüentam academias de ginástica e têm à disposição hospitais veterinários de última geração. Tudo por amor, um amor quase de filho, diriam os donos. Mas agora se anuncia que a última barreira entre as espécies, a da comunicação, foi quebrada. Um grupo de veterinários garante que é possível se comunicar com os bichinhos e está levando a técnica da telepatia para as clínicas.
'Sou uma espécie de intérprete que cura problemas emocionais e faz revelações sobre a vida íntima dos animais', explica a ÉPOCA a americana Penelope Smith, que está lançando por aqui Linguagem Animal. O livro já vendeu mais de 80 mil exemplares no mundo e foi traduzido para 14 idiomas. Penelope vem ao Brasil em maio para divulgar sua teoria em workshops
A idéia da telepatia começou a ganhar adeptos no fim da década de 90, quando o pioneiro em comunicação interespécies, o inglês Rupert Sheldrake, reconhecido bioquímico da Universidade de Cambridge, publicou o livro Cães Que Sabem Quando Seus Donos Estão Chegando. No best-seller, ele afirma que os laços afetivos que unem cães e gatos a seus donos criam uma sintonia que favorece a comunicação telepática.
Sheldrake é o autor da tese sobre ''campos mórficos'', segundo a qual a afinidade entre dois seres permite a comunicação a distância. ''Os animais têm um comportamento antecipatório e podem adivinhar ou pressentir a chegada de seu dono'', teoriza Sheldrake, que assina mais de oito obras sobre o assunto.
O resultado apresentado pelo autor mostra que pelo menos metade dos cães avaliados muda seu comportamento quando, a dezenas de quilômetros de distância, o dono pega a chave do carro e resolve voltar para casa. 'As informações viajam por vibrações', filosofa. Os experimentos foram feitos em horários diferentes, para evitar o condicionamento do animal.
O resultado apresentado pelo autor mostra que pelo menos metade dos cães avaliados muda seu comportamento quando, a dezenas de quilômetros de distância, o dono pega a chave do carro e resolve voltar para casa. 'As informações viajam por vibrações', filosofa. Os experimentos foram feitos em horários diferentes, para evitar o condicionamento do animal.
O
time brasileiro de telepatas explicou a ÉPOCA quais são os pré-requisitos para se comunicar com os animais. 'Noção de ioga e muita capacidade de concentração', aconselha a veterinária Sheila Waligora, seguidora de Penelope Smith. Para ela, espiritualidade e Ciência devem andar juntas. 'Em seguida, basta olhar bem no fundo do olho do animal e mentalizar a imagem que se deseja passar', simplifica a veterinária Maristela Montelli. 'E a resposta faz o caminho inverso: uma imagem se forma em nossa mente', completa Ivani Gonçalves, adepta de tratamentos alternativos como florais e homeopatia para animais.
Especialistas em comportamento de bichos ressaltam que os sentidos superaguçados dos cães, como audição e faro, os fazem sentir cheiros e vibrações sonoras muito antes de eles serem percebidos por uma pessoa. 'Os bichos antecipam chuva e terremoto, mas isso não tem relação com paranormalidade', rebate Francisco Azevedo, veterinário e adestrador há 15 anos.
Seres Superiores
O inglês Rupert Sheldrake, de Cambridge, luta pelo reconhecimento científico de sua tese sobre telepatia animal
Divulgação
RENEGADO Sheldrake enfrenta o preconceito da comunidade científica
ÉPOCA - Quando você sentiu que poderia se comunicar com animais?Rupert Sheldrake - Ainda na infância. Eu ficava fascinado com a habilidade dos pombos de encontrar o caminho de volta para casa e comecei a observar mais os animais e a me relacionar com eles de forma mais intensa.
ÉPOCA - Como provar que os animais captam informações por telepatia?Sheldrake - Consegui provas disso a partir de experimentos com mais de 200 animais e seus donos. Observei que 50% dos
cães e 30% dos gatos passam a esperar em frente à porta ou à janela pelo menos dez minutos antes de o dono chegar, independentemente do horário.
ÉPOCA - Qual é a contribuição da telepatia animal para a Ciência? Sheldrake - Reconhecer essa capacidade nos animais significa promovê-los a um status superior, e isso muda uma série de paradigmas arcaicos da Ciência.
ÉPOCA - Por que a telepatia não é aceita?Sheldrake - Existe um tabu contra tudo o que não seja exato. Os cientistas precisam se abrir para a espiritualidade. Telepatia não é coisa de maluco.
Fonte:
www.revistaepoca.globo.com
"Todas as coisas da criação são filhos do Pai e irmãos do homem... Deus quer que ajudemos aos animais, se necessitam de ajuda. Toda criatura em desgraça tem o mesmo direito a ser protegida."

- São Francisco de Assis



Dra. Luciana Eduardo Nagamatsu(Médica Veterinária- CRMV/PR 7094)
Email: reinodobicho@yahoo.com.br








Um comentário:

Francisco disse...

Visitei tbm o seu BLOG, REINO DOS BICHOS. Maravilhoso, tbm. Bjus.